Mulher é condenada por ameaçar vizinhas com terçado - IPOJUCA ONLINE

Notícias Quentes

Post Top Ad


Post Top Ad

MEUS LIVROS


quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Mulher é condenada por ameaçar vizinhas com terçado


O Juizado Especial Criminal da Comarca de Brasiléia julgou parcialmente procedente a pretensão punitiva contida no Processo n°0000765-02.2016.8.01.0003, condenando L.G.V. a pagar multa no valor de R$ 500, por ela ter ameaçado com um terçado duas vítimas, que são vizinhas da acusada.
Na sentença, o juiz de Direito Clóvis Lodi afirmou que “o conjunto probatório deixou claro que a ré ameaçou as vítimas com um terçado em lhes causar mal injusto e grave, através dos seguintes dizeres: eu vou retalhar todo mundo que estiver dentro de casa assassina, bandida, você matou minha filha, eu vou matar a tua filha, sua vagabunda, o que ocasionou forte abalo e medo nas vítimas”.
O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC) apresentou denúncia, relatando que L. G.V. praticou o crime previsto no artigo 147, caput, do Código Penal. Segundo o Órgão Ministerial a acusada “ameaçou, por palavras e gestos, fazendo uso de um terçado, causar mal injusto e grave ás vítimas”.
Na peça acusatória, o MPAC narrou à acusada, que é portadora de transtornos mentais, correu atrás de uma das vítimas, indo ao portão da casa das vítimas, e enquanto batia no portão com o terçado gritou ameaças às duas mulheres. Os vizinhos escutaram e chamaram a policia.
O juiz de Direito Clóvis, titular da Vara Criminal da Comarca de Brasiléia, explicou que mesmo a ré não tendo se apresentado em juízo, as comprovações juntadas no Processo são “consistente a ponto de ensejar um decreto condenatório”. Conforme registrou o magistrado “as vítimas e testemunhas, em sede inquisitória e judicial, mantiveram as mesmas declarações, demonstrando coerência e transparência ao relatarem a conduta ilícita da ré”.
Assinalando que “conduta da ré foi finalisticamente dirigida à causar receio na vítima, de sofrer mal injusto e grave em evento futuro e incerto, sem aviso prévio”, o juiz de Direito julgou procedente a denúncia condenando a acusada a três meses e 15 dias de detenção, pena que foi substituída pelo Juízo a multa de R$ 500.
Fonte: www.ac24horas.com

Tecnologia

Autor

NOVA IPOJUCA - NOTÍCIAS O nosso objetivo é deixar o leitor Ipojucano bem informado sobre os fatos importantes do dia a dia da nossa Cidade, sempre com olhar crítico e imparcial, além de revelar o que acontece nos bastidores políticos da região.

GASTRONOMIA ONLINE


Post Top Ad