• Notícias Destaque!

    NOVA IPOJUCA NOTÍCIAS - Nos 11 anos da Lei Maria da Penha, delegada reforça importância de denunciar violência doméstica

    Gleide Ângelo destaca avanços, mas lembra que parte da população desconhece lei. Polícia Civil visita oito cidades pernambucanas até o fim do mês para orientar sobre a legislação.

    o dia em que se comemora os 11 anos de criação da Lei Maria da Penha, a chefe do Departamento de Polícia da Mulher de Pernambuco, Gleide Angele, ressalta a importância de denunciar a violência doméstica e familiar. Para orientar a população sobre os detalhes da lei, a Polícia Civil visitará, ao todo, oito cidades pernambucanas até o fim do mês. (Veja vídeo acima)

    De acordo com a Secretaria de Defesa Social de Pernambuco (SDS-PE), quase 16 mil mulheres sofreram algum tipo de violência doméstica ou familiar de janeiro a junho deste ano no estado. “Vamos nessas cidades porque a população sabe que a lei existe, mas não tem conhecimento de como ela funcionada. A denúncia é importantíssima porque a mulher corre o risco de morrer se ela não denunciar”, pontuou.
    A Lei Maria da Penha leve esse nome em homenagem a Maria da Penha Maia Fernandes, uma farmacêutica cearense que sofreu violência doméstica praticada pelo marido durante 23 anos. Foram duas tentativas de homicídio contra ela. Uma delas deixou a farmacêutica paraplégica.
    “Desde então houve avanços e conquistas. Antigamente, quando uma mulher sofria violência doméstica, ela ia para a delegacia fazer um TCO [Termo Circunstanciado de Ocorrência]. Hoje não. Com a lei, existem vários mecanismos de proteção. O mais importante é são medidas protetivas de urgência porque quando a mulher for fazer a denúncia ela irá requerer a medida. O juiz tem um prazo de 48 horas para decretar a medida. Isso
    A chefe do Departamento de Polícia da Mulher ainda ressaltou que não a lei não só abrange a agressão corporal. Ela também envolve a patrimonial, moral, psicológica e sexual. “Ela também inclui relações homossexuais entre duas mulheres. A mulher transexual também tem a proteção porque a lei protege a mulher na condição de mulher e não na condição do sexo feminino”, esclareceu.

    Em caso de denúncia, a vítima pode procurar qualquer delegacia para prestar a queixa. A ação da Polícia Civil teve início no bairro de Peixinhos, em Olinda. As próximas cidades a receber a iniciativa são Tamandaré, Camaragibe e Gravatá.

    Fonte: g1.globo.com/pernambuco

    Post Top Ad

    authorSaiba um pouco sobre mim Reginaldo Silva, autor do Livro 60 Minutos no Paraíso e Nas Mãos de Deus Nascimento: 20 de julho (45 anos), Recife, Pernambuco Cônjuge: Paulinha (desde 1991) Estudou: Bacharel em Teologia Doutor em Teologia Pastor em nome de Jesus Empresário
    Leia Mais →

    Post Bottom Ad